46362

Professores grevistas ocupam prédio da Secretaria de Educação de MT

Há quase dois meses em greve, professores da rede estadual ocuparam o prédio da Secretaria de Educação de Mato Grosso (Seduc), no Centro Político Administrativo, na manhã desta segunda-feira (7). A mobilização, segundo a representante do Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público do Estado (Sintep), Jocilene Barbosa, foi definida na semana passada, durante assembleia geral dos profissionais, em protesto contra a falta da apresentação de uma contraproposta 'razoável' por parte do governo estadual.

Cerca de 70 grevistas participaram do protesto, conforme a Polícia Militar, que foi acionada para fazer a segurança do local durante a manifestação. A ideia é chamar a atenção do governo em relação à pauta de reivindicações da categoria, principalmente a que trata do reajuste salarial de 100% em sete anos. Eles também cobram o pagamento da hora-atividade aos professores contratados, melhorias nas escolas e repasse de 35% dos recursos do estado para a educação, como determina a Constituição Estadual.

“Queremos que o governo volte a negociar e que os trabalhadores não cedam até que haja uma proposta constitucional”, disse Jocilene, se referindo às escolas que deixaram de aderir à paralisação e retomaram as atividades. O Sintep alega que 19% das unidades de ensino disseram que iriam retomar o calendário letivo a partir desta segunda-feira. Por outro lado, a assessoria da Seduc garante que 45% das escolas se comprometaram a encerrar a greve nesta semana.

A representante do Sintep ainda afirmou que a categoria já decidiu ceder em relação a algumas reivindicações, entre elas do pagamento integral da hora-atividade. Agora, eles propõem que o benefício seja pago em até três parcelas. A previsão é que os grevistas continuem no prédio até o final desta segunda-feira. Na próxima quinta-feira (10), eles devem se reunir em uma assembleia, na Escola Estadual Presidente Médici, no Centro de Cuiabá

A Seduc informou que não irá tomar nenhuma medida em relação à manifestação, bem como alegou não ter recebido nenhum documento acerca desse protesto.

No dia 10 de setembro, a Justiça declarou a greve abusiva e determinou que a categoria retomasse os trabalhos. O sindicato recorreu, alegando que o magistrado não tinha especificado quais categorias deveriam retomar as atividades e nem a quantidade.

Depois, no último dia 27, a desembargadora Maria Erotides Baranjak, do TJ-MT, acatou parcialmente o recurso do Sintep e mandou que metade dos professores, funcionários de apoio administrativo educacional e técnico administrativo em greve encerrassem a paralisação em até 72 horas, a partir do prazo de intimação. O sindicato foi notificado da decisão no dia 1º de outubro. Porém, nenhuma das decisões foi cumprida.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email