43900

Prazo da Justiça chega ao fim mas professores mantêm greve em MT

Após ser considerada abusiva e completar um mês de greve, a paralisação dos trabalhadores na educação de Mato Grosso deve continuar. É o que estima o presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT), Henrique Lopes do Nascimento. O prazo dado pela Justiça para que os professores voltassem a dar aula vence nesta sexta-feira (13).

Na terça-feira (10) o desembargador Marcos Machado deu um prazo de 72 horas, a partir da publicação da decisão, para que a categoria retomasse os trabalhos.  A decisão também pontuava que os professores estivessem com efetivo suficiente para assegurar o ano letivo de 2013.  Aproximadamente 430 mil alunos estão sem aula em Mato Grosso desde o dia 12 de agosto. Cerca de 80% das escolas teriam aderido ao movimento.

Os trabalhadores pedem quatro pautas principais que incluem o reajuste salarial de 10,41%, inclusão da hora-atividade para professores contratados, melhoria na estrutura das escolas e a posse dos classificados do concurso público realizado em 2010 no estado, além da destinação de mais recursos estaduais para a educação.

Ao G1, o presidente do Sintep disse que o sindicato vai recorrer da decisão judicial. “Vamos continuar. Mesmo se tivéssemos um retorno parcial, não existe educação parcial. Ninguém gosta de ficar sem aula, mas precisamos dessas melhorias [exigidas]”, declarou Henrique.

Na segunda-feira (16) deve ser realizada uma nova assembleia para avaliar a paralisação, bem como consultar os profissionais sobre a continuidade ou não da greve. A assembleia está marcada para as 14h [horário de Mato Grosso], na Escola Estadual Presidente Médici, na Avenida Mato Grosso, Centro de Cuiabá.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email