62555

Pais confessam em depoimento que agrediram e mataram bebê em Cuiabá

André Luiz Pinto de Souza, de 22 anos, e Tainara Cardoso de Araujo, de 19, presos nesta segunda-feira (6) suspeitos de matar o próprio filho de 1 mês, confessaram à Polícia Civil que agrediram e mataram a criança. De acordo com a Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), o menino Josué Araújo de Souza foi arremessado pelo pai durante uma briga do casal na sexta-feira (3). A criança teve febre e convulsão por três dias e só foi levada a um hospital particular na madrugada desta segunda-feira. No entanto, Josué chegou sem vida ao hospital.

Segundo a delegada que decretou a prisão do casal, Anaíde Barros, os pais vão responder por homicídio qualificado doloso (quando há intenção de matar). O menino, único filho do casal, iria completar dois meses nesta quarta-feira (8). André Luiz Pinto trabalha como auxiliar de entrega em um supermercado e a esposa é dona de casa. Eles estavam casados há cerca de um ano.

A família morava em uma casa no Bairro Ribeirão do Lipa, em Cuiabá. O casal prestou depoimento de forma separada e contou a mesma versão à polícia. “Eles relataram que na sexta-feira tiveram uma briga. O pai tomou o filho do colo da mãe e o jogou em cima de um colchão que estava no chão. A partir dessa data a criança apresentou problemas de saúde, teve princípios de convulsões, além da mãe perceber que ele tinha um ferimento na cabeça”, disse ao G1 Anaíde.

A criança também apresentava diversas mordidas profundas pelo corpo, principalmente na barriga, no rosto e na bochecha. “Por essa razão [as mordidas], eles alegaram que não levaram ao médico por medo de perder a guarda da criança. Eles alegaram ainda que as mordidas foram feitas por brincadeira. Mesmo assim, isso se enquadra como maus tratos”, completou a delegada.

As diversas mordidas no corpo de Josué teriam sido feitas pelos dois em datas diferentes, segundo a polícia.

Crime
Na noite de domingo (5), Josué teve a saúde debilitada, mesmo com os pais dando remédio contra a febre. Nenhum parente da família foi chamado e nem socorro médico solicitado até a noite de domingo. Depois da criança não querer mamar e apresentar crises convulsivas, ela veio a óbito por volta de meia-noite.

“A mãe contou que, quando o filho estava muito ruim, ligou para um pastor de uma igreja e pediu para ele orar pelo filho. Só depois que a criança já estava em óbito, eles a levaram para o pastor. Josué agonizou por três dias”, detalhou Anaíde Barros.

O menino foi levado até o pastor, que percebeu que a criança já estava morta. Foi ele quem levou os pais e a criança até um hospital particular do Bairro Santa Helena. Uma enfermeira que recebeu Josué desconfiou das marcas de mordidas e acionou a Polícia Militar.

De acordo com a delegada, mesmo sendo o pai o suposto autor da ação, a mãe vai responder como coautora do crime, já que teve a omissão do socorro da criança. Conforme a DHPP, em depoimento, a mãe pareceu estar mais sensibilizada e jogava a culpa no marido. Já o pai só esboçou reação e chorou quando foi informado que estava sendo preso em flagrante. O pastor e a enfermeira também foram ouvidos pela delegada.

Um documento preliminar do Instituto Médico Legal (IML) da capital aponta a morte da criança por traumatismo craniano. Contudo, a delegada descartou que os pais tenham abusado sexualmente do menino. O casal deverá ser encaminhado para unidades prisionais da capital ainda nesta segunda.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email