Justiça suspende audiências públicas sobre usina hidrelétrica entre MT e PA

As audiências públicas sobre o licenciamento ambiental da Usina Hidrelétrica (UHE) de São Manoel, no Teles Pires, foram suspensas pela Justiça Federal de Mato Grosso nesta quinta-feira (26). As audiências estavam marcadas para os próximos dias nas cidades mais próximas da usina: Paranaíta (MT), Jacareacanga (PA) e Itaituba (PA). O impasse ocorre por conta do Ministério Público Federal (MPF) apontar falta de esclarecimento em relação aos impactos aos três povos indígenas que vivem na região.

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) alegou, no processo, que as audiências públicas servem justamente para gerar mais esclarecimentos à população afetada. A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) também argumentou à Justiça Federal que não há a necessidade de suspensão das audiências públicas.

A usina está projetada para ser construída no Rio Teles Pires, entre as regiões de Mato Grosso e Pará. A decisão da suspensão é do juiz federal substituto Ilan Presser, da Primeira Vara Federal de Cuiabá, que acatou o pedido do MPF dos dois estados. O magistrado determinou que as audiências fiquem suspensas até que seja finalizado o estudo de medição de impactos da obra sobre os povos indígenas. Caso a decisão judicial seja descumprida, a multa prevista é de R$ 100 mil por dia.

Conforme o MPF, a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) não apresentou uma versão completa do estudo sobres os povos indígenas. Atualmente o projeto está em fase de licenciamento pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). O G1 entrou em contato com a assessoria da EPE, que ainda deve se posicionar oficialmente sobre a decisão.

“Permitir a realização das audiências públicas, na hipótese posta à apreciação, seria como tolerar discussões sobre o diagnóstico de eventuais enfermidades de um paciente, e procedimentos cirúrgicos a serem adotados, sem a prévia realização de todos os exames médicos necessários para tanto”, comparou o juiz.

Três etnias atualmente vivem em terras demarcadas na região. Mais próximos estão os Kayabi, cujas terras estão a um quilômetro de distância, mas nos arredores e na área de abrangência do Rio Teles Pires também se localizam aldeias dos Munduruku e dos Apiaká. Espalhados entre Mato Grosso, Pará e Amazonas, as populações das três etnias juntas não chegam a 15 mil pessoas – segundo a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai).

Os procuradores da República que fizeram o pedido de suspensão, Felipe Bogado, Manoel Antônio Gonçalves da Silva e Felício Pontes Jr, informaram que o estudo do impacto deveria ter sido feito de acordo com referências feitas pela Fundação Nacional do Índio (Funai). O termo de referência estabelecia o que deveria ter sido estudado para medir os impactos da obra sobre os povos indígenas da região.

“O documento não foi entregue em sua totalidade, como determina o termo de referência. Vale dizer [que] os impactos da obra sobre os povos indígenas ainda não são conhecidos em sua totalidade”, diz o texto da ação.

No documento, o MPF cita pareceres da Funai sobre os estudos realizados. Segundo a Funai, falta planejamento para ações integradas em proteção territorial, proteção aos índios isolados, proteção à saúde, monitoramento participativo da qualidade da água, da fauna e das espécies de peixes.

A fundação também aponta que falta planejamento para ações integradas de gestão territorial e ambiental, de recuperação de áreas degradadas, de formação e capacitação, de comunicação social, de educação ambiental, geração de renda, valorização cultural do patrimônio material e imaterial.

Para o MPF, a falta de estudos e planejamento é ainda mais grave por se tratar de um processo de licenciamento que, segundo palavras da própria Funai, é marcado “por conflitos e tensões, e alguns confrontos diretos” e em que o estudo do componente indígena está sendo feito de qualquer maneira, “apenas para cumprir tabela”.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email