30965

Incêndio em depósito de Caxias, RJ, deixa um morto, diz prefeitura

A Prefeitura de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, confirmou a morte de uma pessoa devido ao incêndio de grandes proporções que atinge um depósito de combustíveis e lubrificantes da Petrogold, próximo à Rodovia Rio-Teresópolis (BR-116), nesta quinta-feira (23).

Segundo Ricardo Costa Leite, assessor do prefeito Alexandre Cardoso, o morto seria um funcionário da empresa Petrogold, identificado como Gelson da Silva Ferreira, 43 anos, e chegou a ser levado para o Hospital Adão Pereira Nunes, em Saracuruna, mas morreu na unidade.

O fogo, que começou por volta das 11h, se espalhou por todo o quarteirão, consumindo casas vizinhas após uma grande explosão às 12h30. Às 16h45, bombeiros de cinco grupamentos  seguiam no combate às chamas e ainda havia risco de novas explosões.

Uma área de aproximadamente quatro quarteirões ao redor do depósito foi isolada, de acordo com a Defesa Civil do Rio de Janeiro. A previsão é que de que, até o fim do dia, 80% dos moradores retornem para suas residências. A Polícia Militar e a Guarda Municipal fazem a segurança para evitar a invasão das residências.

Os bombeiros acionaram cinco quartéis: Grupamento Operacional com Produtos Perigosos, Nova Iguaçu, Duque de Caxias, Irajá e Caju. Agentes confirmaram que a ocorrência é de grande porte, mas, até as 15h, não havia informações sobre vítimas. Além de várias residências, na região há, pelo menos, uma escola municipal, da qual um grupo de cerca de 10 crianças foi retirado.

Por volta das 12h, as chamas podiam ser vistas a quilômetros de distância e assustavam os moradores da Vila Maria Helena. Os bombeiros informaram que a área era resfriada para que as chamas não se alastrassem. O combate ao fogo propriamente dito, no entanto, só deve começar após o combustível armazenado ser consumido.

Segundo a Defesa Civil estadual, a área foi esvaziada pela Defesa Civil municipal de Caixas para a segurança dos moradores e mais agentes do estado seguiam para auxiliar as equipes.

Sem licença, diz Inea
Segundo a assessoria de imprensa do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), a Petrogold não tem licença ambiental do estado para funcionar. A única licença era do município de Caxias, de 2009. Segundo o Inea, o município não tem autonomia para conceder esse tipo de licença. A Agência Nacional do Petróleo (ANP) informou que a empresa atuava de forma regular.

Sem feridos
“Não temos notícia ainda de ninguém ferido, nosso grupo de quartéis está trabalhando junto com o Grupamento de Perigos, com Caxias, Nova Iguaçu, Irajá e Caju, porque havia risco real de explosão. Fizemos um trabalho para retirar a população, inclusive daqueles com dificuldade de locomoção e a possibilidade de explosão no tanque é real. O combustível é uma quantidade muito grande que está queimando e o trabalho dos bombeiros tem que ser com muito cuidado e de sua auto-preservação também”, declarou o coronel dos Bombeiros Jerri Pires ao RJTV.

Segundo o coronel, existe possibilidade de rompimento e espalhamento de combustível. “Se esse tanque se romper, com certeza esse fogo vai atingir algum bombeiro militar que esteja muito próximo. O trabalho é de isolamento e evitar o máximo possível o alastramento”, declarou o coronel dos bombeiros ao RJTV.

“Estamos trabalhando no esfriamento das casas no redor, para evitar que o fogo se alastre pelo quarteirão. Não temos informação ainda se tinha algum funcionário trabalhando. Foi feita evacuação das casas nos arredores e existe risco de um rompimento de outros tonéis”, acrescentou o oficial, por volta das 12h30.

Explosões
Gustavo Cunha Melo, especialista em gerenciamento de risco, disse à Globo News que para não ter uma multiplicação do incêndio é recomendável o esfriamento da área ao redor dos tanques de combustíveis. Ele explicou ainda que as explosões ocorrem por causa da queima do combustível.

Assistência social
A Secretaria de Estado de Assistência Social informou que, ate as 13h, não havia sido acionada pela Prefeitura de Duque de Caxias para prestar auxílio às famílias cujas casas foram atingidas pelo incêndio. Ainda de acordo com o órgão, assim que a prefeitura acioná-lo, o aluguel social no valor de R$ 400 será distribuído.

Embargado
Segundo o secretário estadual do Ambiente Carlos Minc, o depósito foi embargado em julho de 2012 durante uma operação conjunta entre o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e a Polícia Federal.

Minc ressaltou que em junho, o Inea e a Polícia Federal lacraram a empresa após uma fiscalização, que constatou sinais de violação de combustível e derramamento de óleo nas vias fluviais.

“Essa região é dominada por uma máfia de alteração de combustíveis. É um barril de pólvora, com óleo e combustíveis inflamáveis”, diz o secretário, acrescentando que cerca de 20 empresas atuam na região de maneira parecida.

Ainda de acordo com Minc, a Petrogold funcionava através de liminares obtidas na Justiça e de uma licença municipal. O secretário esclarece que uma empresa desse porte só pode operar com licença do estado. A Petrogold tinha uma licença estadual antiga e que não foi renovada pelo Inea.

Advogado contesta
Fábio Kalil, advogado da empresa Petrogold, distribuidora de combustível responsável pelo reservatório que pega fogo em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, na tarde desta quinta-feira (23), negou que a empresa tenha a licença ambiental embargada no ano passado.

Segundo ele, “todas as licenças e documentações necessárias nas estâncias municipal, estadual e federal estão em ordem”. Segundo ele, cerca de dez funcionários trabalhavam no reservatório.

Rio-Teresópolis
A concessionária responsável pela rodovia Rio-Teresópolis, que corta a região atingida pelo incêndio, informou que o trânsito não chegou a ser afetado pelas chamas e a circulação. Equipes da empresa, porém, foram para o quilômetro 293 da via para monitorar a situação.

Os bombeiros acionaram cinco quartéis: Grupamento Operacional com Produtos Perigosos, Nova Iguaçu, Duque de Caxias, Irajá e Caju. Agentes confirmaram que a ocorrência é de grande porte, mas, até as 15h, não havia informações sobre vítimas. Além de várias residências, na região há, pelo menos, uma escola municipal, da qual um grupo de cerca de 10 crianças foi retirado.

Por volta das 12h, as chamas podiam ser vistas a quilômetros de distância e assustavam os moradores da Vila Maria Helena. Os bombeiros informaram que a área era resfriada para que as chamas não se alastrassem. O combate ao fogo propriamente dito, no entanto, só deve começar após o combustível armazenado ser consumido.

Segundo a Defesa Civil estadual, a área foi esvaziada pela Defesa Civil municipal de Caixas para a segurança dos moradores e mais agentes do estado seguiam para auxiliar as equipes.

Sem licença, diz Inea
Segundo a assessoria de imprensa do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), a Petrogold não tem licença ambiental do estado para funcionar. A única licença era do município de Caxias, de 2009. Segundo o Inea, o município não tem autonomia para conceder esse tipo de licença. A Agência Nacional do Petróleo (ANP) informou que a empresa atuava de forma regular.

Sem feridos
“Não temos notícia ainda de ninguém ferido, nosso grupo de quartéis está trabalhando junto com o Grupamento de Perigos, com Caxias, Nova Iguaçu, Irajá e Caju, porque havia risco real de explosão. Fizemos um trabalho para retirar a população, inclusive daqueles com dificuldade de locomoção e a possibilidade de explosão no tanque é real. O combustível é uma quantidade muito grande que está queimando e o trabalho dos bombeiros tem que ser com muito cuidado e de sua auto-preservação também”, declarou o coronel dos Bombeiros Jerri Pires ao RJTV.

Segundo o coronel, existe possibilidade de rompimento e espalhamento de combustível. “Se esse tanque se romper, com certeza esse fogo vai atingir algum bombeiro militar que esteja muito próximo. O trabalho é de isolamento e evitar o máximo possível o alastramento”, declarou o coronel dos bombeiros ao RJTV.

“Estamos trabalhando no esfriamento das casas no redor, para evitar que o fogo se alastre pelo quarteirão. Não temos informação ainda se tinha algum funcionário trabalhando. Foi feita evacuação das casas nos arredores e existe risco de um rompimento de outros tonéis”, acrescentou o oficial, por volta das 12h30.

Explosões
Gustavo Cunha Melo, especialista em gerenciamento de risco, disse à Globo News que para não ter uma multiplicação do incêndio é recomendável o esfriamento da área ao redor dos tanques de combustíveis. Ele explicou ainda que as explosões ocorrem por causa da queima do combustível.

Assistência social
A Secretaria de Estado de Assistência Social informou que, ate as 13h, não havia sido acionada pela Prefeitura de Duque de Caxias para prestar auxílio às famílias cujas casas foram atingidas pelo incêndio. Ainda de acordo com o órgão, assim que a prefeitura acioná-lo, o aluguel social no valor de R$ 400 será distribuído.

Embargado
Segundo o secretário estadual do Ambiente Carlos Minc, o depósito foi embargado em julho de 2012 durante uma operação conjunta entre o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e a Polícia Federal.

Minc ressaltou que em junho, o Inea e a Polícia Federal lacraram a empresa após uma fiscalização, que constatou sinais de violação de combustível e derramamento de óleo nas vias fluviais.

“Essa região é dominada por uma máfia de alteração de combustíveis. É um barril de pólvora, com óleo e combustíveis inflamáveis”, diz o secretário, acrescentando que cerca de 20 empresas atuam na região de maneira parecida.

Ainda de acordo com Minc, a Petrogold funcionava através de liminares obtidas na Justiça e de uma licença municipal. O secretário esclarece que uma empresa desse porte só pode operar com licença do estado. A Petrogold tinha uma licença estadual antiga e que não foi renovada pelo Inea.

Advogado contesta
Fábio Kalil, advogado da empresa Petrogold, distribuidora de combustível responsável pelo reservatório que pega fogo em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, na tarde desta quinta-feira (23), negou que a empresa tenha a licença ambiental embargada no ano passado.

Segundo ele, “todas as licenças e documentações necessárias nas estâncias municipal, estadual e federal estão em ordem”. Segundo ele, cerca de dez funcionários trabalhavam no reservatório.

Rio-Teresópolis
A concessionária responsável pela rodovia Rio-Teresópolis, que corta a região atingida pelo incêndio, informou que o trânsito não chegou a ser afetado pelas chamas e a circulação. Equipes da empresa, porém, foram para o quilômetro 293 da via para monitorar a situação.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email