63146

Inadimplência no comércio varejista tem alta de 2,33% em 2013, diz CNDL

A taxa de inadimplência do consumidor brasileiro no comércio varejista encerrou 2013 com um aumento médio de 2,33%, na comparação com 2012, informou nesta terça-feira (14) a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), com base em dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

Apesar da alta, ela foi bem menor que a registrada ao longo de 2012, quando a inadimplência subiu 12,18%, na comparação com 2011. De acordo com o SPC, houve uma forte elevação na inadimplência até o fim do primeiro trimestre de 2013. A partir de abril, porém, a tendência se inverteu, devido ao aumento da taxa básica de juros (Selic) pelo Banco Central, que encareceu o crédito no país e desestimulou o consumo.

Além disso, segundo o SPC, bancos e lojistas passaram a exigir, ao longo do ano passado, mais garantias dos tomadores de crédito, o que levou a uma redução no risco de calote.

Em dezembro de 2013, houve um recuo de 4,44% na inadimplência, na comparação com o mesmo mês de 2012. Essa foi a quarta queda mensal consecutiva no ano passado, e a mais acentuada desde o início da nova série histórica, que começou em janeiro de 2012.

Segundo a CNDL, a queda da inadimplência é típica nesse período de fim de ano e está ligada a uma injeção extra de recursos após o pagamento do 13º salário, além da criação de vagas temporárias de trabalho. Assim, muitas famílias usam o dinheiro para pagar dívidas.

Previsão para 2014
Em nota, o presidente da CNDL, Roque Pellizzaro Junior, informou que para 2014 a projeção dos lojistas é que a taxa de inadimplência cresça em um patamar semelhante ao do ano passado, “mas com viés de alta”. Segundo ele, essa previsão se deve à perspectiva de desaceleração na criação de vagas de trabalho.

Vendas a prazo
Ainda de acordo com a entidade, o número de consultas ao banco de dados do SPC para vendas a prazo em dezembro cresceu 2,90% em relação ao mesmo mês de 2012. O resultado, considerado baixo pelo CNDL, está relacionado à alta “modesta” das vendas de Natal, impactada pelo aumento dos juros e pela inflação, que tira poder de compra dos trabalhadores.

Em todo o ano de 2013, o crescimento médio das vendas a prazo foi de 4,12%, menor que os 7,16% verificados ao longo de 2012.

Para 2014, a projeção da CNDL é que as vendas a prazo cresçam menos que no ano passado. Essa estimativa, informou a entidade, baseia-se na avaliação de que o modelo de incentivo ao consumo adotado pelo governo está perdendo efeito no país.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email