62462

Homem esconde pescado irregular em guarda-roupa e é preso em MT

Um homem de 33 anos, proprietário de uma peixaria que foi alvo de fiscalização em Barra do Bugres, a 169 km de Cuiabá, foi preso na noite desta quinta-feira (2). Segundo a Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) e a Delegacia de Meio Ambiente (Dema), ele foi flagrado com 240 quilos de pescado irregular, cinco armas de fogo e apetrechos ilegais. Ao perceber a fiscalização o suspeito tentou esconder parte do pescado e dos acessórios dentro de um guarda-roupa.

A prisão ocorreu durante uma abordagem de rotina em estabelecimentos da área durante a Piracema. O período de proibição da pesca para fins comerciais em Mato Grosso vai até fevereiro. A equipe fiscalizava os locais em relação ao armazenamento e venda de pescados da cidade.

Na peixaria, que fica na beira do Rio Paraguai, os fiscais encontraram 240 kg de peixes das espécies pintado, cachara e jaú. Parte do pescado estava cortada e pronta para comercialização. Foram apreendidas duas espingardas calibre 22 com adaptação de silenciadores, dois revólveres calibre 36 e 38 e uma pistola calibre 380. Para a Sema, as armas eram utilizadas para a prática de caça de animais silvestres.

“O proprietário alega que o pescado era legal, mas a quantidade era ilegal. Quando viu os fiscais [o suspeito], jogou os filés de pintado dentro do guarda-roupa junto com redes de pesca”, disse ao G1 Júlio Reiners, coordenador de pesca da Sema.

Ainda conforme a Sema, o proprietário tinha irregularidades na declaração de estoque e vendia pescado sem nota fiscal. O peixe e o suspeito foram encaminhados para a Dema em Cuiabá nesta sexta-feira (3). Ao G1, o delegado que fez o flagrante, Vitor Hugo Teixeira, disse que o proprietário vai responder por dois crimes.

“Ele será autuado por posse ilegal de arma e crime ambiental, pois estava comercializando o peixe que foi adquirido em período proibitivo [Piracema]”, relatou. Segundo o delegado, a somatória da pena do suspeito não permite que ele tenha direito a fiança.

Com isso o empresário deve ser encaminhado para um presídio da capital mato-grossense depois de prestar depoimento. O pescado irregular deve ser doado para unidades filantrópicas da capital.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email