63954

Água empoçada pode prejudicar obras

Especialista diz que a solução é instalar bombas para a drenagem dos locais, mas isto não garante continuidade do serviço

Laura Nabuco
Da Reportagem

O período de chuvas em Mato Grosso ameaça os trabalhos nos canteiros das obras que visam a Copa do Mundo de 2014. Especialistas já apontam para a necessidade de se comprar bombas para a drenagem da água que se acumular nos locais de escavação. 

Previstos para serem concluídos antes dos jogos mundiais, que serão realizados em julho de 2014, os empreendimentos ainda enfrentarão dois períodos de precipitações contra apenas um de seca, conforme o 9º Distrito Meteorológico. 

Isso porque as chuvas geralmente têm início a partir da segunda quinzena de setembro e só se encerram em meados de abril, o que reduz o período de seca a cerca de cinco meses. 

Com data de entrega em março do próximo ano, as trincheiras que darão acesso aos bairros Santa Rosa e Verdão, na Miguel Sutil, por exemplo, podem sofrer alagamentos, conforme o professor de Engenharia Civil da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Eldemir Pereira. 

Ele também não descarta a necessidade de interrupção dos trabalhos, caso as chuvas sejam muito intensas. “São escavações profundas, então há chance de alagamentos. Além disso, em tempo de chuvas é sempre mais complicado realizar uma obras do que num tempo seco”, avalia. 

Para o professor, a medida mais eficaz contra as precipitações seria construir coberturas sobre os empreendimentos. Ele pondera, no entanto, que a dimensão das intervenções torna a alternativa quase impossível de ser adotada.

http://novo.liderfmgga.com.br/wp-content/uploads/2020/06/420839.jpg

Também na Miguel Sutil, a trincheira Jurumirim possui oito metros de profundidade e 915 metros de extensão. Já a do bairro Santa Rosa abrangerá 520 metros da Perimetral e a do Verdão terá 460 metros de comprimentos. 

Ainda na Miguel Sutil, o viaduto do Despraiado, que começou a ser construído a pouco mais de três meses, não necessitará de grandes escavações. A altura do tubo principal, no entanto, deve chegar a 7,20 metros, o que também impossibilita a cobertura da área. No último mês, a empresa responsável pela obra deu início à concretagem das vigas de sustentação. A expectativa é que ele seja entregue em maio de 2013. Um mês após o fim do período chuvoso. 

Entre as obras que já estão em execução, as do complexo viário do Tijucal – que incluem a construção de um viaduto e de uma trincheira – devem passar por dois períodos de chuva. Elas foram iniciadas em agosto deste ano e só devem ser entregues nos primeiros meses de 2014. Além delas, as que envolvem a implantação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) passarão pela mesma situação. 

Procurada pela reportagem, a Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa) não se manifestou sobre o assunto até o fechamento desta edição.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email