46197

Eleição de 2014 em MT deve ficar R$ 5 milhões mais cara que a anterior

A estimativa da Justiça Eleitoral é gastar R$ 5,1 milhões a mais nas eleições de 2014 que no último pleito. Em 2012, o custo total das eleições foi de R$ 11,7 milhões. Agora, a previsão de despesa é de R$ 16,8 milhões. O presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT), Juvenal Pereira da Silva, justifica o aumento à inflação, aumento do dólar e aos investimentos para que todos os 2.172.227 eleitores tenham condições de votar em outubro do ano que vem, incluindo os 8.169 indígenas.

Do montante, R$ 12,1 milhões devem ser gastos com a locação de veículos, material gráfico, aluguel de local para a totalização dos votos, transporte aéreo, manuais e cartilhas, transporte de urnas, linhas de transmissão e filmagem. O restante, correspondente a R$ 4,6 milhões, deve ser com pessoal. Um total de 43 mil pessoas devem trabalhar no dia 5 de outubro, entre elas mesários e colaboradores. “O nosso objetivo é fazer com que todos possam participar das eleições”, afirmou Juvenal, nesta sexta-feira (4), durante apresentação do planejamento para a próxima eleição.

“A nossa meta, porém, é conscientizar os eleitores porque não se pode vender o voto e a valorizar o voto e a si próprio”, disse. Segundo ele, a Justiça Eleitoral ainda enfrenta dificuldades por causa da falta de recursos para investir nas eleições. Para amenizar o problema e garantir o sucesso da eleição, se faz esse planejamento com um ano de antecedência.

Nessa eleição, cada eleitor deverá custar R$ 7,71 aos cofres da Justiça Eleitoral, o que representa aumento de R$ 2,40 em relação à eleição passada. Há 20 anos, mais precisamente no pleito de 1994, essa despesa era de R$ 1,82. Nesse período, o eleitorado quase dobrou no estado.

Um dos avanços previstos para a próxima eleição é o voto biométrico em 21 municípios. Conforme o TRE, o sistema de votação possibilita ao eleitor maior segurança e transparência. A intenção é ampliar para todos os 141 municípios mato-grossenses até 2017, a partir da revisão biométrica. “Até 2020, em todo o país as eleições devem ser em urnas biométricas, mas, em Mato Grosso, queremos fazer a totalização até 2017”.

Em 2012, eleitores de sete cidades do estado votaram em urnas biométricas e, neste ano, começou a ser feita a revisão biométrica em 13 municípios. Os eleitores foram cadastrados por meio das impressões digitais para que nas eleições de 2014 possam votar em urnas biométricas. À princípio, no processo de escolha das cidades que passarão pela revisão biométrica são levados em consideração alguns critérios, como o número de eleitores em relação à população registrada pelo IBGE no município.

Investimentos nos cartórios eleitorais também estão entre as prioridades para a eleição do ano que vem. Em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá, por exemplo, deve ser construído um cartório em uma área da União.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email