55620

Dilma cita impasse para remarcar ida aos EUA e diz que esperava desculpa

Quase dois meses depois de desmarcar uma visita aos Estados Unidos em razão das denúncias de espionagem ao governo brasileiro, Dilma Rousseff falou sobre o episódio e citou que a situação gerou um impasse. Em uma entrevista para o Grupo RBS na manhã desta quarta-feira (6), a presidente afirmou que um pedido de desculpas seria necessário para que uma nova data fosse agendada.

“Eu iria viajar. A discussão que derivou dessas denúncias nos levou à seguinte proposta para os Estados Unidos: só tem um jeito de a gente resolver esse problema. Se desculpar pelo que aconteceu e dizer que não vai acontecer mais. Não foi possível chegar a esse termo”, disse, durante o Painel RBS, citando que ela e o presidente Obama poderiam ser expostos ao “constrangimento” de uma nova denúncia.

Em seguida, ela afirmou que as relações comerciais e diplomáticas com os EUA não foram interrompidas. “Não há interrupção de nenhum nível das relações tradicionais entre o Brasil e os EUA. Agora não é possível que entre países amigos com relações estratégicas não se leve em consideração o fato de que não é possível espionar a presidente, assim como a primeira-ministra. Não é adequado”, reforçou.

A presidente ainda citou a ação da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), afirmando que é diferente da espionagem dos Estados Unidos. “No caso da denúncia de espionagem não só contra o Brasil mas contra os outros países é o seguinte fato. Você violou não só e-mails privados, ligações telefônicas, violou a internet, violou a privacidade. E não foi só de chefes de estado, mas de indivíduos e de empresas. E dentro de um processo que não tem muita justificativa de luta contra o terrorismo”.

Na segunda (4), em meio aos protestos do governo brasileiro contra a espionagem norte-americana, o jornal “Folha de S.Paulo” publicou reportagem que dizia que o Brasil monitorou as atividades de diplomatas da Rússia, do Irã e do Iraque em 2003 e 2004. Em nota divulgada, o Gabinete de Segurança Institucional (GSI), responsável pela Abin, admitiu a existência das ações, mas afirmou que “as operações obedeceram à legislação brasileira de proteção dos interesses nacionais”.

“Não pode comparar o que a Abin fez em 2003, 2004, até porque segundo a Abin é contrainteligência, porque achavam que tinha interferência em negócios privados, em negócios públicos no Brasil, que foi preventivo e que não levou a nenhuma consequência de espionar ninguém na sua privacidade. Não violou privacidade, acompanhou atividados. Isso é previsto na legislação brasileira, não cometeram nenhuma ilegalidade”, analisou.

Questionada sobre se o episódio a afetou de alguma maneira, a presidente afirmou que não poderia admitir o desrespeito à privacidade e à soberania do país. “Não podemos conceber que o Brasil não tenha o respeito à soberania que ele merece. É impossível conceber, eu como presidente, aceitar negociar a soberania do país. Falar 'não, é possível espionar, sim', 'não, pode espionar a Petrobras'. Isso é inadmissível. Um presidente que fizer isso não merece a condição de presidente”, concluiu. “Espionagem industrial não pode ter guarida em nações civilizadas”.

Nova ponte do Guaíba terá edital publicado nesta quinta

Na entrevista, a presidente ainda anunciou que o edital de licitação para a construção da nova ponte do Guaíba, no Rio Grande do Sul, será publicado no Diário Oficial da União desta quinta-feira (7).

“Vamos publicar o edital da ponte. Vou sexta-feira para o Rio Grande do Sul. Lá, vou inaugurar outra plataforma no Porto de Rio Grande. Tenho uma espécie de relação emocional com essas plataformas do RS”, explicou a presidente.

A nova ponte terá 1,9 quilômetro e tem custo estimado em R$ 900 milhões. A travessia deve ter 27 metros de largura e 36 metros de altura em relação à água, para garantir a navegabilidade. A expectativa do governo federal é de que a obra inicie em 2014 e fique pronta entre 2016 e 2020.

A empresa responsável pelo projeto de execução foi escolhida em concorrência pública realizada pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) em julho do ano passado. A construtora tem um ano e meio para apresentar o projeto, que custará R$ 5,7 milhões.

Em abril, Dilma esteve em Porto Alegre para cumprir agenda e lembrou a obra. “A continuidade será coroada com a nova ponte do Guaíba para que haja condições e infraestrutura logística adequadas para o estado”, declarou.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email