28774

Bebê que seria vendido pela mãe em Porto Alegre é entregue para avó

O bebê de um ano e dois meses que seria vendido pela própria mãe a um casal, em Porto Alegre, foi entregue à avó materna na manhã desta quarta-feira (24) pelo Conselho Tutelar. A mulher suspeita de negociar a criança, natural de Mogi das Cruzes, no interior de São Paulo, e o casal gaúcho que faria a compra, foram detidos pela polícia na segunda-feira (22) em um restaurante, após denúncia de um cliente que ouviu a conversa em outra mesa, como mostra a reportagem do Jornal do Almoço, da RBS TV (veja o vídeo).

A avó do bebê saiu de Mogi das Cruzes para Porto Alegre. Ela esteve no Conselho Tutelar pela manhã acompanhada de um advogado. Depois, prestou depoimento na Delegacia da Criança e do Adolescente e se disse surpresa ao saber que o neto seria negociado. “Não sabia. Ela me ligou do aeroporto, e disse que estava levando o filho para conhecer uma família. Depois disse que estava no avião, e o sinal caiu”, relatou Elsa de Oliveira.

O retorno da avó para sua cidade natal deve ocorrer ainda hoje. A criança estava sob custódia desde a prisão da mãe, que já foi liberada, junto com o casal. O Conselho Tutelar levanta a possibilidade de esta não ser a primeira vez que a mulher negocia um filho. Um caso no Rio de Janeiro, há seis anos, é investigado. “Essa é uma informação que passamos para nossos colegas de lá, para que informem também a polícia de São Paulo, porque a situação é grave”, salientou o conselheiro Cristiano Aristimunha.

Ainda conforme o conselheiro, um pedido será feito a autoridades para que investiguem um possível caso de adoção ilegal no país. “E a gente tem recebido denúncias de que Porto Alegre estaria em uma rota de adoção ilegal no país, então pretendemos informar a Secretaria Nacional de Direitos Humanos, a Polícia Federal, para que investiguem se isso realmente está ocorrendo”, completou.

O casal e a mulher devem responder em liberdade por compra e venda de menor. A pena é de um a quatro anos de prisão, além de multa. O processo aguarda distribuição. Na terça-feira (23), o juiz Felipe Keunecke Oliveira, responsável pelo caso, homologou o flagrante e concedeu liberdade provisória aos suspeitos.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email