28401

&#39Fui forte e saí desta&#39, diz jovem que ficou 80 dias internada após incêndio

Após 80 dias internada, a universitária Kelen Ferreira deixou o Hospital de Clínicas de Porto Alegre na quarta-feira (17) para voltar a Santa Maria e matar a saudade de casa e dos familiares. A jovem de 20 anos ficou ferida do incêndio na boate Kiss, em 27 de janeiro, que matou 241 pessoas. Com uma proteção nas mãos, devido a queimaduras, ela lembrou que desde o início dizia que se recuperaria, pois é uma pessoa forte, como mostra a reportagem do Jornal do Almoço, da RBS TV (veja o vídeo abaixo). Quatro pessoas seguem internadas em hospitais de Porto Alegre.

“No dia do acidente, quando cheguei ao hospital, eu disse para o tio 'eu sou forte, vou sair desta'. Quando cheguei aqui ontem eu disse: 'tio, eu fui forte, saí desta'”, conta Kelen. Emocionado, o tio Roque Ferreira diz que nunca duvidou da capacidade da sobrinha. “Para mim é motivo de muita felicidade. Todos os dias que eu ia visitar ela na CTI eu dizia: Kelen, não esquece o que tu me disse, tu é forte'”.

As primeiras horas em casa foram para aproveitar o carinho da família. A irmã Mariane Ferreira não escondia a alegria ao lado de Kelen. “É uma felicidade sem fim, não via a hora de abraçar, beijar, apertar, gritar, xingar!”, brinca, arrancando risos da irmã.

Estudante de Terapia Ocupacional, a universitária agora planeja voltar às aulas na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) em setembro. Ela completou o quarto semestre à distância. Kelen teve 18% da pele do corpo queimada, e seguirá tratamento.

Do pouco que lembra do dia da tragédia, Kelen tenta recordar da pessoa que a tirou de dentro da boate. Em função da grande quantidade de fumaça, ela teve a visão prejudicada. “Foi um homem que me tirou de lá, não lembro do rosto dele. Não era alto nem baixo, nem gordo nem magro, e não sei se estava de branco ou cinza. Era muita fumaça e não consegui enxergar”.

Entenda
O incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, região central do Rio Grande do Sul, na madrugada de domingo, dia 27 de janeiro, resultou em 241 mortes. O fogo teve início durante a apresentação da banda Gurizada Fandangueira, que fez uso de artefatos pirotécnicos no palco.

O inquérito policial indiciou 16 pessoas criminalmente e responsabilizou outras 12. Já o MP denunciou oito pessoas, sendo quatro por homicídio, duas por fraude processual e duas por falso testemunho. A Justiça aceitou a denúncia. Com isso, os envolvidos no caso viram réus e serão julgados

Veja as conclusões da investigação

– O vocalista segurou um artefato pirotécnico aceso no palco
– As faíscas atingiram a espuma do teto e deram início ao fogo
– O extintor de incêndio do lado do palco não funcionou
– A Kiss apresentava uma série das irregularidades quanto aos alvarás- Havia superlotação no dia da tragédia, com no mínimo 864 pessoas
– A espuma utilizada para isolamento acústico era inadequada e irregular
– As grades de contenção (guarda-corpos) obstruíram a saída de vítimas
– A casa noturna tinha apenas uma porta de entrada e saída
– Não havia rotas adequadas e sinalizadas de saída em casos de emergência
– As portas tinham menos unidades de passagem do que o necessário
– Não havia exaustão de ar adequada, pois as janelas estavam obstruídas

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email